Cerejeira

Sabe-se que a única tristeza dos deuses
É ser imortal

Por isso fizeram com o homem
O que os gatos fazem antes da vida finalmente deixar um roedor.
Quando alcançamos cerca de vinte primaveras
Começamos a nos desfazer… só tendemos ao inevitável da mortalidade.
Então nos ocorre que viver eternamente não deve ser assim tão ruim…

Os deuses queriam ter a liberdade de viver intensamente
Poder morrer de amor, de paixão…mesmo que tragicamente.

Tão previsíveis…eles optaríam pelo lado trágico. Certeza.

Começou a estação das flores no emisfério norte
Ainda contemplarei as pétalas de Sakura

E aproveitarei cada delicado segundo.

Como nos Sonhos de Kurosawa.

Celebrerejuvenessaantesdevirarpoeira.kpc 02/04/2010.

Enivrez-vous

Enivrez-vous

"Il faut être toujours ivre. Tout est là: c’est l’unique question.
Pour ne pas sentir l’horrible fardeau du Temps qui brise vos épaules
Et vous penche vers la terre
Il faut vous enivrer sans trêve.
Mais de quoi?
De vin, de poésie ou de vertu, à votre guise.
Mais enivrez-vous.
Et si quelquefois, sur les marches d’un palais
Sur l’herbe verte d’un fossé
Dans la solitude morne de votre chambre
Vous vous réveillez
Et l’ivresse déjà diminuée ou disparue
Demandez au vent
À la vague
À l’étoile
À l’oiseau
À l’horloge
À tout ce qui fuit
À tout ce qui gémit
À tout ce qui roule
À tout ce qui chante
À tout ce qui parle
Demandez quelle heure il est
Et le vent
La vague
L’étoile
L’oiseau
L’horloge
Vous répondront: "Il est l’heure de s’enivrer!
Pour n’être pas les esclaves martyrisés du Temps
Enivrez-vous!
Enivrez-vous sans cesse!
De vin, de poésie ou de vertu, à votre guise."

Charles Baudelaire (posté pour le mien 2 d’avril)                            

Garota Invisível

Estou transparente

Como uma bolha de sabão…água viva…

Transparente como o ar.

Sim o ar e não o vento.

Por que o vento a gente sente.

Estar transparente

É sentar-se, levantar-se, dormir, comer ou tomar banho.

É sair e voltar sem ninguém perceber.

Incolor

Inodora

Insípida

Evitável

Dispensável

Como um objeto de decoração qualquer

Transparente.

 

[kpc 29/12/08]

Temps

Ce qui finit les doutes
Et ce qui les initie
Ce qu’ apporte la calme e lequel qui la désespère
Ce que donne la vie et lequel qui l’enlève
Ce que s’ajoute, se divise, se multiplie et se diminue
Il s’élargit en minimisant
Il apporte la joie et la tristesse
Il fortifie et affaiblit
Il réussit à être antithèse et paradoxe
Mais quand est-ce qu’on peut déterminer quand est-ce qu’ il est bon ?
Quelle est l’exact moment donc le bénéfice se devient maléfice ?
Quand c’ést l’heure de commencer?
Et la fois de finir?
Je sais qu’il ne s’arrête pas…
L’inertie est temps?
Je sais qui la vie est courte.
Alors, ils sont suffit les questions!
[kpc 09/08/08]

Morrer na hora certa

Tiros, explosões, homens-bomba.
Nem a iminência de uma morte terrível fez com que ela desistisse.
 
Mas o que faz alguém arriscar-se tanto?
Por que era esse o seu destino?
Como sei qual é o meu destino?
Faço uma lista?
 
Nietzsche diz que podemos escolher a nossa morte.
Que podemos simplesmente morrer na hora certa.
O que ele quer dizer mesmo, é que não devemos abandonar nossos desejos, que devemos tomar a rédea de nossa vida e vivê-la intensamente, assim, quando a morte vier, ela verá que tivemos uma vida de realizações.
 
Em um lugar onde viver ou morrer nada significa, a causa de sua morte e no que ela implicará, pode servir como luz no fim do túnel.
 
O que podemos tirar disso tudo, é que ela sabia que iria morrer e mesmo assim, não desistiu.
 
"A morte perde seu terror quando se morre, depois de consumida a própria vida!
Caso não se viva no tempo certo, então nunca se conseguirá morrer no momento certo"
[Nietzsche em "Quando Nietzsche Chorou" de Irvin D. Yalom].
 
Benazir Bhutto 21/06/53- 27/12/07.

Corrúpta ou não. Uma das maiores perdas para o Paquistão e para o mundo.

Meus Amigos – Oscar Wilde

"Escolhi meus amigos não pela pele ou outro arquétipo qualquer, mas pela pupila.

Tem que ter brilho questionador e tonalidade inquietante. A mim não interessam os bons de espírito nem os maus de hábitos. Fico com aqueles que fazem de mim um louco e santo. Deles não quero respostas, quero meu avesso. Quero-os santos, para que não duvidem dos diferentes e peçam perdão pelas injustiças. Escolho os meus amigos pela cara lavada e pela alma exposta. Não quero só o ombro ou o colo, quero também sua maior alegria. Amigo que não ri junto não sabe sofrer junto. Meus amigos são todos assim: metade bobeira, metade seriedade. Não quero risos previsíveis, nem choros piedosos. Quero amigos sérios daqueles que fazem da realidade sua fonte de aprendizagem, mas lutam para que a fantasia não desapareça. Não quero amigos adultos nem chatos. Quero-os metade infância e outra metade velhice. Crianças para que não esqueçam o valor do vento no rosto e velhos para que nunca tenham pressa.

Tenho amigos para saber quem eu sou, pois vendo-os loucos e santos, bobos e sérios, crianças e velhos, nunca me esquecerei de que normalidade é ilusão estéril”.

[Meus Amigos – Oscar Wilde]

Porque o que eu não kero + é ser/viver a chatisse estética dos adultos como eu.

 

 

Atrás da Porta (Francis Hime/Chico Buarque)

.
Quando olhaste bem…nos olhos meus
E o teu olhar era de adeus.
Juro que não acreditei, eu te estranhei,
Me debrucei, sobre teu corpo e…duvidei.
E me arrastei e te arranhei…
E me agarrei nos teus cabelos!
No teu peito…teu pijama,
Nos teus pés…ao pé da cama.
Sem carinho, sem coberta,
No tapete… atrás da porta:
Reclamei baixinho…
Dei pra maldizer o nosso lar.
Pra sujar teu nome, te humilhar!
E me vingar a qualquer preço!!!
Te adorando pelo avesso!
Pra mostrar que ainda sou…tua…
Só pra provar que inda sou tua.
– By Elis
Atrás da Porta (Francis Hime/Chico Buarque)
 
Mas não morra! 

Adeus Meus Sonhos [Álvares de Azevedo]

 
.
Adeus, meus sonhos, eu pranteio e morro!
Não levo da existência uma saudade!
E tanta vida que meu peito enchia
Morreu na minha triste mocidade!
 
Misérrimo! Votei meus pobres dias
À sina doida de um amor sem fruto,
E minh’alma na treva agora dorme
Como um olhar que a morte envolve em luto.
 
Que me resta, meu Deus? Morra comigo
A estrela de meus cândidos amores,
Já não vejo no meu peito morto
Um punhado sequer de murchas flores!
.
 
Adeus Meus Sonhos [Álvares de Azevedo]

No mar

 
"No mar…
            a onda vai-e-vem
e envolve-me intensamente,
                           as vezes delicada.
Seu abraço é longo e quente.
                    No mar…
    na inércia…
                    eu sei que a onda que vai
 é a mesma que vem."
 
[kpc 16/07/08]
 
 
 
 Peruíbe !! Praia do Guaraú !! Feriadão !! Páscoa 2007 !!